Blocos dos Velhos

No carnaval do passado, aliás, não tão distante no tempo, havia um tradicional Bloco formado basicamente pelos moradores do Velame, atual Bairro Farias Brito.

O Bloco dos Velhos era totalmente diferente dos outros blocos de cordão existentes na época.

As principais características desse bloco eram; as perucas brancas que usavam ornamentando suas cabeças, as músicas que eles cantavam, e danças que executavam num ritmo cadenciado acompanhado pela batida no chão dos bastões de madeira que conduziam pela mão, numa sincronização com o clarinete, violão, cavaquinho e pandeiro, instrumentos que compunham a charanga que orquestrava o Bloco dos Velhos.

A frente do Bloco havia um estandarte com a figura de um velho e uma velha. Esse estandarte ficava a frente do bloco empunhado por um jovem garoto que igualmente a todos os componentes, usava uma peruca branca parecida com as perucas que os lordes ingleses usavam na sessão do Parlamento Britânico.

O traçado das fitas na haste que se destacava a frente do Bloco era seu momento mais auspicioso, pois a cadência e o entrelaçamento das fitas na haste parecia um ballet, um ritual que se transformava numa contradança quando todos os participantes num vai e vem sincronizado formavam um conjunto harmonioso de dança e de música.

O organizador do Bloco dos Velhos por muito tempo foi o Sr. Cesário que trabalhava no Armazém de Armando Praça. Seu auxiliar imediato eram Sr. Mantim  também um trabalhador braçal. Os demais componentes entre tantos outros se destacavam: Alemão, Camaleão que exercia a profissão de cabeceiro, Me Roxa, Corrupião, Bobói, Zé do Tico também chamado de Cabral, Grilho e um dos mais jovens na época o Ronaldo.

Além de desfilar pela Rua Grande numa exibição primorosa de ritmo e cadência, o Bloco dos Velhos era convidado para apresentações nas casas e sobrados da Rua Grande, quando era recebido pelas famílias tradicionais que lhe oferecia uma mesa farta de bebidas e comidas da melhor qualidade.

Era um privilégio receber o Bloco dos Velhos, pois trazia a alegria e a magia de um carnaval que simbolizava uma tradição muita antiga que foi preservada e admirada por muito tempo.

Hoje não se escuta mais a batida forte dos bastões de madeira no calçamento da Rua Grande… Mas a história não esquece que um dia o Bloco dos Velhos imperou solenemente pelas ruas do Aracati com suas perucas brancas de lordes ingleses e sua acrobacia dançante de passos maravilhosos….